_AMOR, FLOR, VERDURA, PALAVRA, TUDO É SEMENTE!

_VIDA, HORTA, JARDINAGEM,

PROSA E POEMA:

PALAVRA ESCRITA E SEMEADA...

SEMPRE O MESMO PRINCÍPIO

GENEROSO DA SEMENTE.



Histórico e registro do projeto de criação e transformação de um quintal, hoje com horta, pomar e jardim, que já foi um grande monte de entulhos, mas que está se revelando um pedacinho do paraíso.
Verifique o "Antes e o depois" nos primeiros posts... Acredite... Aconteceu...
O possível se faz agora, o impossível demora um pouquinho mais...
De quebra vão alguns textos,receitas,meditações, artigos e poemas, semeados entre flores e verduras...
Que mistura...

Os textos e fotos são de própria autoria, aqueles que não o forem, trarão referência do autor.
Nossas imagens não deverão ser usadas para qualquer tipo de promoção de cunho comercial sob pena de responsabilização legal. Grata.


"Existe duas maneiras de ver o mundo: A primeira é que não existe milagres.
A segunda é que tudo é milagre."
Albert Einstein

Além das experiências em nosso quintalzinho, agregamos posts de quintais de amigos em: Visitando outros quintais.

Em Marcadores,
acesse
o Índice Alfabético Remissivo com todos os assuntos.

sexta-feira, 27 de abril de 2012

Folhas de maracujá.

Parece que este pé de maracujá gostou muito do lugar onde foi plantado, à margem de um
 dos drenos do terreno. Partilhamos aqui a nossa admiração com o tamanho das folhas do
 maracujá. Neste terreno temos um sistema de drenagem que impede o alagamento, escoando 
toda a água da chuva para a rede fluvial. As plantas que ficam próximas aos drenos se
desenvolvem melhor. Fizemos aqui no quintal o esquema de drenagem chamado espinha 
de peixe, utilizado em campos de futebol.


Esperamos que os frutos do maracujá acompanhem esta generosidade, mas, antes teremos
uma inusitada composição floral. Teremos num mesmo caramanchão flores de bougainvílleas
e flores de maracujá, convivendo lado a lado.Teremos então belas fotos.


Enquanto as flores e os frutos não vêm, nós cuidamos das plantas e esperamos com muita
paciência. Paciência é uma das virtudes que aprendemos com a natureza. Com ela
não adianta termos pressa, cada coisa acontece exatamente no seu tempo, aprendemos
a controlarmos a ansiedade e admirarmos todo o processo que é o trajeto da
semente até o fruto. Aqui, a  função calmante do princípio ativo do maracujá nem precisa
 virar chá ou suco, neste caso, ela funciona pela simples observação e se transforma em
grata contemplação.

domingo, 22 de abril de 2012

Orquídeas

Na expectativa de que venham as flores!

As mudas de orquídeas que ganhamos, as plantamos no tronco do ipê rosa...


                             E no tronco da samambaia xaxim, onde as orquídeas já se desenvolveram.


Como o tronco do ipê é mais seco, usamos uma espuma fenólica para manter um pouco
mais de umidade.


No tronco da samambaia (feto ou xaxim),  que segura mais a umidade, o
desenvolvimento das mudas de orquídea foi melhor  do que nas mudas
que ficaram no tronco da árvore.

Agora falta esperar com muita paciência, que venham as flores, para conhecermos
as suas cores e formas. Aprendemos um truque para manter flores o ano inteiro,
que é polvilhar canela em pó nas raízes das orquídeas floridas.Mas primeiro temos que
esperar as flores...Que venham...

Samambaia

O poder da vida...

Nossa samambaia xaxim (feto) estava maravilhosa à entrada do portão.


                                                  Tiramos estas fotos em dezembro de 2011.


 Desde que foi colocado aqui, depois da limpeza do quintal, este feto que estava  na 
família da Naná há décadas,  gostou deste lugar e se desenvolveu. 


                                              Tinha folhas novas e estava soltando brotos.


Até que o verão chegou forte. Saímos de férias em janeiro e, quando voltamos, foi preciso
cortar fora as folhas que estavam completamente secas. Esqueceram de molhar a samambaia...


Apenas retomamos as regas e os brotos ressurgiram, num espetáculo de renovação da vida.


                         Em poucos dias tínhamos uma samambaia com  folhas novas se desenrolando.


                                              E nosso xaxim ficou ainda mais bonito que antes.


                  As folhas novas da samambaia xaxim, (ou feto) de um verde intenso e cheias de brilho.

quinta-feira, 19 de abril de 2012

Fonte de jardim em bambu e material reciclado.

Fonte rústica feita de bambu e pia reciclada.
(Com imagem em vídeo)

     Há um ano atrás este jardim não existia, era só um sonho, um projeto. A tranquilidade do verde e o canto dos pássaros nos inspiraram a criarmos, no quintal, uma fonte. A princípio a fizemos  para decoração e pelo seu som tranquilizante, mas, os passarinhos fizeram dela uma necessidade.
      Nossa rústica fonte de bambu foi feita com uma simples bombinha de aquário e serve de bebedouro para os pássaros. O contínuo movimento da água faz oxigenação e impede a proliferação de larvas de mosquito.O barulhinho da água correndo dá a impressão de um riacho. 
    É possível controlar a velocidade da queda e abaixar o som, principalmente à noite, para suavizar seu murmúrio, uma vez que os ruídos são poucos e seu barulho se intensifica. O controle do murmúrio é feito simplesmente direcionando o fluxo d'água sobre uma pedra. Este recurso não deve ser usado em dias muito quentes, pois o spray provocado pela queda sobre a pedra facilita uma rápida evaporação, colocando o motor em risco, por trabalhar no seco. A altura da queda d'água também influencia no resultado final do som. Afine de acordo com sua preferência. O som não deve ser irritante, regule para que seja música para seus ouvidos.
     Consumo baixíssimo de energia. Um litro de água a cada  três dias é suficiente para manter o nível da água quando o fluxo  não é dirigido para as pedras e evapora menos. Precisa de atenção especial em dias muito quentes, com grande visitação de passarinhos. Até anu-preto, pássaro bem grande, vem beber nesta fonte. Isto sem falar dos beija-flores, joão-de-barro, corruíras, sabiás, rolinhas, pardais, canários-da terra e outros eventuais visitantes. ( Para uma visualização dinâmica da fonte, clique abaixo para ver e ouvir o vídeo.)
        video

     Utilizamos uma pia velha que ia para a caçamba de entulhos. A terra que foi tirada das 
valas de drenagem do quintal ficou amontoada num canto. Logo percebemos que estava ali
a elevação de terreno que precisávamos para instalar uma fonte. Na realidade construímos
uma montanha cenográfica, atrás da qual foi enterrado um conduinte plástico para fio
elétrico.Por dentro deste cano passou um fio, em cuja ponta foi colocada em uma
tomada elétrica. Escondemos muito bem o fio com canaletas próprias.
Aproveitamos um interruptor na parede para a passagem e ocultamento do fio, que
 ligamos em uma tomada do atelier
     Raramente a chuva molha o local, protegido por um maciço de bambus, mas, para
maior segurança, uma panela de barro que já não servia para cozinhar, por estar trincada,
serviu de casa de máquinas e oculta e protege a tomada de luz, servindo de isolante contra
a umidade. Uma mangueirinha de nível faz o transporte da água até a bica de bambu.
A fonte é constituída por apenas três pedaços de bambu, dois do mesmo tamanho e outro, 
um pouquinho maior.Foram amarrados com cordinha de fibra natural e foi feito um
pequeno furo no fundo (nó) do bambu maior, para introduzir  a mangueira. A água que
cai na pia, volta a subir pela mangueira, num ciclo contínuo.A pia precisa ficar bem fechada
no fundo, para evitar vazamentos.
O bambu foi cortado com uma serra circular e depois lixado. O guarda chuva sobre
a fonte protege a água das fezes das aves, quando estas usam o maciço de bambus
para construir seus ninhos.

     Segue abaixo uma galeria de fotos da fonte de bambu, que faz parte do conjunto do
 jardim de pedras.

O bambu ainda verde, logo após a confecção da fonte.
O bambu amarrado com cordinha de sisal.
Prestando atenção é possível avistar a mangueirinha dentro do bambu.
Com a artimanha do guarda-chuva, mais higiene na fonte.

A panela de barro improvisada em casa de máquinas, isolando a tomada de luz.
Antes do uso do velho guarda-chuva, os "presentinhos" deixados pelas  aves.
Um casal de anu-preto chocou sua ninhada  no maciço acima da fonte.

Montanha cenográfica e o anjo que precisou ser retirado da fonte, por causa
da pontaria dos passarinhos. O uso de areia e pedras justifica o excesso de
sombra, onde  é possível  cultivar pouca coisa. Um arco de madeira
simboliza uma ponte, a pedra e areia imita um  rio.

quarta-feira, 18 de abril de 2012

Ervas aromáticas.


Se você procura ervas medicinais acesse  a Página: Ervas medicinais e chás caseiros,
à sua direita. Ou role abaixo do Perfil e clique em Marcadores: índice remissivo, no verbete "ervas medicinais Ipara conhecer mais plantas medicinais cultivadas na nossa hortinha doméstica.


 Veja abaixo algumas ervas de nossa hortinha, usadas para o tempero de uma comidinha caseira.



                        Manjericão roxo: Gostoso na comida e bonito na horta.


Manjericão verde. Para perfumar e decorar molhos, sopas e massas. Muito cheiroso.


Manjerona. Bom para temperar  frango. Mais suave que o orégano.


Orégano: Tempero para molhos e massas. Cheiro e sabor indispensáveis numa pizza...


Alecrim. Para temperar assados, molhos e sopas. Tem muitas propriedades
medicinais.Vale uma boa pesquisa.


Cebolinha verde.Indispensável na culinária caseira para dar aquele toque delicioso de carinho.
Usado em pratos quentes e frios.  Carnes,  massas,  saladas,  sopas,  molhos,  muitos usos.


Salsa: Companheira inseparável da cebolinha, no chamado "cheiro verde".Uso tão amplo quanto
o dado à cebolinha verde. 


Coentro. Muito usado na culinária mineira e baiana. Sabor acentuado para paladares
especiais. Melhor evitar pratos muito temperados com coentro na gravidez,
pode provocar indisposições estomacais.


Hortelã:  Usada fresca em sucos ou em molhos e carnes. Usada na cozinha árabe.
Um frango refogado ao molho de hortelã também é muito bom.


Sálvia: tempero para massas,carnes e ampla aplicação medicinal.


Tomilho: Sabor marcante e suave combina com quase tudo, carnes, peixes, massas,molhos...



terça-feira, 17 de abril de 2012

Amoras.




Três tipos de amora no nosso quintal

Esta postagem é uma prova de que a natureza entregue a si mesma, se refaz,
e, se, num ambiente frequentado por aves, deixarmos crescer as diversas
plantinhas trazidas por elas, logo teremos uma floresta ou um belo pomar
de frutas nativas. Estas amoreiras fotografadas aqui, nasceram recentemente
dentro e fora do quintal trazidas pelos pássaros. Geralmente as arrancamos assim
que nascem, pois, a amoreira cria uma raiz tão forte e tão profunda que torna
 impossível arrancá-la mais tarde .Vamos tentar a possibilidade de controlar o
crescimento destas mudas com podas educativas. Assim teremos arbustos de
 frutíferas que irão atrair passarinhos.

O interessante é que assim, sem querer, ficamos com três espécies diferentes
de amoras. Esta espécie, de folha recortada, nasceu do lado de fora da cerca 
de bambus. Só saberemos como serão seus frutos esperando com paciência que 
produzam. Só temos uma certeza, é uma das prediletas dos passarinhos, pois
é uma das plantinhas que mais arrancamos, quando fazemos o controle de ervas
daninhas e invasoras. Provavelmente é uma amora-branca: Morus alba.


 Esta outra amoreira tem a folha serrilhada, quase em forma de coração.
Espécie rústica,  nativa, plantada aqui, de presente, pelos passarinhos
que frequentam o bambuzal. Esta também fica do lado de fora da cerca .
Provavelmente é um pé de amorinha-preta, bem comum na região. (Morus nigra)


Este pé de amora trepadeira nativa cresceu perto da fonte, onde as aves vêm beber.
Cuidamos com carinho e transplantamos para um dos canteiros verticais.
É de  uma variedade silvestre popularmente chamada de silva. Com seus frutos
é possível  fazer geleias ou mesmo vinho. É uma rosácea , provavelmente Rubus sp.
                                 


Meses depois a mesma amoreira silvestre (silva) da foto acima já cresceu bastante
e é tutoreada pelo vergalhão da estufa da horta.Temos  cuidado de mantê-la a uma
distância segura da área de circulação, para que os espinhos não causem acidentes.


Apesar de rústica e selvagem esta amoreira, recorremos a uma poda educativa, pois a espécie
é muito invasiva, tendo sido guiada em rama única, rente à tela de sombrite.Qualquer operação
deve ser realizada com muito cuidado por causa dos espinhos.

 A rama desta  amoreira ( silva) em poucos meses já atingiu 3,5 metros , e continua crescendo.


Com cinco meses começou a primeira florada da nossa silva, por ser uma rosácea, seus
botões florais bem se parecem com pequenos botões de rosa., linda e iluminada,agora
 coberta pela  estufa da horta, por causa do frio.
                                  

Com aproximadamente seis meses e uns seis metros de comprimento, a nossa querida
amoreira do mato conseguiu frutificar, mesmo aprisionada na estufa da horta.

.                                                         Frutos ainda verdes.
                                                                                             
                                Quanto mais escuras, mais doces...                                                              

segunda-feira, 16 de abril de 2012

Figo

Nossa figueira nos surpreendeu, está carregadinha de frutos.


Ficamos contentes quando percebemos os figuinhos.  Faz poucos meses
que esta muda de figueira foi plantada.


O pezinho de figueira parece que vai ser generoso nesta sua primeira frutificação
no nosso quintal. Está brotando e crescendo a olhos vistos.


         Pretendemos atualizar esta postagem conforme 
    os figos se desenvolverem, aguardem.

Flor-de-maio .

É abril e a  flor-de-maio prepara-se para enfeitar-se de flores. 


 Os botões da flor-de-maio, quase prontos para desabrocharem...


                            Já tivemos a curiosidade de contar: São mais de trinta botões florais.


Finalmente desabrochou a flor de maio. Foto noturna em 5 de maio de 2012.