_AMOR, FLOR, VERDURA, PALAVRA, TUDO É SEMENTE!

_VIDA, HORTA, JARDINAGEM,

PROSA E POEMA:

PALAVRA ESCRITA E SEMEADA...

SEMPRE O MESMO PRINCÍPIO

GENEROSO DA SEMENTE.



Histórico e registro do projeto de criação e transformação de um quintal, hoje com horta, pomar e jardim, que já foi um grande monte de entulhos, mas que está se revelando um pedacinho do paraíso.
Verifique o "Antes e o depois" nos primeiros posts... Acredite... Aconteceu...
O possível se faz agora, o impossível demora um pouquinho mais...
De quebra vão alguns textos,receitas,meditações, artigos e poemas, semeados entre flores e verduras...
Que mistura...

Os textos e fotos são de própria autoria, aqueles que não o forem, trarão referência do autor.
Nossas imagens não deverão ser usadas para qualquer tipo de promoção de cunho comercial sob pena de responsabilização legal. Grata.


"Existe duas maneiras de ver o mundo: A primeira é que não existe milagres.
A segunda é que tudo é milagre."
Albert Einstein

Além das experiências em nosso quintalzinho, agregamos posts de quintais de amigos em: Visitando outros quintais.

Em Marcadores,
acesse
o Índice Alfabético Remissivo com todos os assuntos.

quarta-feira, 30 de agosto de 2017

Inspiração

                                 


               Contemplando a natureza quantas vezes você se sentiu parte dela, quantas vezes experimentou a comunhão com todas as formas de vida, simplesmente por ser vivo e pensante? Quantas vezes você olhou uma árvore e a identificou imediatamente como um ser do qual emana vitalidade e energia produtiva? Com um detalhe primordial, a vida vegetal e os outros todos tipos de vida dependem irremediavelmente de nós, humanos pensantes.
                 Pense numa árvore forte e  gigantesca, qual a atitude dela diante de uma motosserra?
Apenas ceder e tombar. Mas, de uma certa forma, nos comunicamos com toda a teia da vida, pois nos sentimos tocados, sensibilizados, por esta forma de vida centenária que produziu toneladas de massa vegetal enquanto suas raízes gestavam regatos e riachos que formaram rios e chegaram ao mar. Tudo está fatalmente interligado. É do emaranhado das raízes das grandes árvores que se formam rios. Tire as árvores da mata ciliar e morre um rio. Seco. Estas mesmas raízes sugam do solo a água que exalam depois, para formar nuvens. Tanto os rios que correm no solo, como o rio de nuvens que despenca sobre a terra em forma de chuva, ambos dependem destes seres fantásticos que não se movem, não saem do lugar, não podem defender-se... E você pode defender uma árvore? Pode senti-la viva e dependente de sua empatia? Pode perceber que o mundo que você habita pode ter outros interesses que não este de preservar a vida? O que você pode fazer de concreto hoje?

sábado, 1 de julho de 2017

Gratidão

Passamos dos 300.000 acessos...


Agradecemos a todos os leitores, de todos os países, de toda parte deste nosso planetinha,  que nos  brindaram com sua atenção. Agradecemos e celebramos os mais de trezentos mil acessos que completamos esta semana. Nossa gratidão a todos. Gilda.

sábado, 17 de junho de 2017

Mutação genética.

Mistérios no quintal.
Ou ... Que nome damos a esse limão?

Nos deparamos com uma variação por mutação
genética em nosso quintal, debaixo de nossos olhos.
A folhagem da variedade colleus, popularmente
conhecida como coração magoado emitiu
um novo arbusto logo ao lado do convencional,
colorido de vermelho. Esta nova espécie é quase
que completamente desprovida do pigmento
vermelho, não fosse por ínfimas pintas, quase 
imperceptíveis. 

Também andamos às voltas com outro mistério:
compramos há uns dois anos, uma muda de limão Taiti.
Depois da muda crescida e desenvolvida lançou frutos .
O interessante é que, o fruto tem aspecto de limão Taiti,
mas, quando maduro, se torna avermelhado 
como limão cravo. Parece que o cavalo de limão cravo,
onde foi enxertada a muda de limão Taiti, era muito forte e
misturou seus gens, criando uma nova espécie de limão híbrido.
A pegunta é: que nome dar a este limão?


O arbusto de "coração magoado" desprovido do pigmento vermelho...

O colleus original, colorido de vermelho.

Aspecto de limão Taiti...

Maduro como limão cravo...

O limão verde e maduro, lado a lado... Como chamá-lo ?
Lanço um desafio: sugiram um nome para este novo tipo de limão...

                                          Outro dado interessante é que este limão tem em
                                           média de seis a oito grandes gomos somente e,
                                           mesmo estando verde, é amarelo por dentro...

                                           Ah, e o cheiro é de limão cravo, também chamado
                                           popularmente de limão rosa... e agora? que nome?

Maravilhosas maravilhas

Maravilha ou Bougainvíllea

                                          Quem planta colhe, mas,também, quem planta se maravilha!
                                           É a sensação que temos ao contemplar o arco de flores
                                           que formamos à porta de casa que nos deleita os olhos e
                                           a alma.

Quando plantamos e começamos a tecer com cuidado as ramas
que formariam o arco de maravilhas, nem imaginamos que colheríamos
tanta beleza.

                                          Para entrar e sair de casa passamos sob a guirlanda
                                           de flores.

Colheita de raízes

Mandioca e batatas doces...

Quando nos propusemos a tornar produtivo este pequeno quintal
nos perguntamos sobre a possibilidade de obtermos além das
frutas e verduras, também um modo de produzir carboidratos
e proteínas. Dentre os carboidratos nos desafiamos a produzir
fontes de amido, raízes e tubérculos. Plantamos e colhemos
batatas em sacos e baldes. Mas, hoje atingimos uma produção
digna de ser partilhada com vocês. Entre mandioca, batata doce
e batata doce alaranjada, conseguimos colher cinco quilos de
raízes. 
Foto na cadeira para efeito de comparação. a maior mandioca
colhida mediu mais de cinquenta centímetros de comprimento.

As batatas doces foram plantadas em manilhas plásticas e bacias.
A mandioca foi plantada no solo, brigou bravamente com as
raízes do bambuzal e sobreviveu ...


                                                         Mandioca branca, batata doce da casca roxa e batata doce da
                                                        casca escura, mas alaranjada por dentro, como cor de abóbora.

Batata doce alaranjada assada, já saboreada no almoço de hoje.
Bendito seja Deus pela maravilhosa experiência de se comer
do fruto da terra, plantado, colhido e partilhado  por nós!

segunda-feira, 16 de janeiro de 2017

Pêssegos deliciosos

                                                  Pêssegos saudosos...

                                 Foi o que nos restou dos pêssegos, fotos e saudades...
                                 Cuidamos com carinho, colocamos adubo orgânico,
                                 cada fruta foi envolta por um saquinho de organza,
                                 para evitar a aproximação da mosquinha da fruta.
                                 Mesmo assim, algumas conseguiram botar os ovos na
                                 casca das frutas  que encostaram na telinha, e alguns
                                 pêssegos receberam indesejadas larvas.
                                 Ano que vem vamos assumir a experiência comprovada
                                 por muitos fruticultores: saquinhos de papel manteiga.
                                 
Os frutos envolvidos pelo adereço fashion ...


Apesar de pequeno, o pessegueiro ficou carregadinho...
uns cem frutos, no terceiro ano de colheita.


A urdidura do tecido deu chance pra mosca da fruta...


                                     
                                            Pêssego da variedade Chiripá, vermelho quando maduro.


Polpa branca, firme e doce.

                                                 ... e caroço que solta inteiro, limpinho...
                              

domingo, 15 de janeiro de 2017

Melíponas ou abelhas sem ferrão

Ano Novo, novo projeto:

 Nosso quintalzinho cheio de flores
sempre atraiu pequenas abelhas nativas.
Desafiados por amigos, nos propusemos a
atraí-las para armadilhas com feromônios,
para que possamos criá-las em caixas próprias.
Assim pretendemos proporcionar melhor polinização 
para as frutíferas e ao mesmo tempo 
saborear seu delicioso mel.
Ainda ajudamos a preservar as
espécies nativas da região.
Agora é só esperar que elas venham...


                                                            A Armadilha feita com garrafa pet
                                                         e cheirinho de melíponas, pra atrair outras
                                                                 abelhas sem ferrão.

                                        A tampinha furada e cera de melípona ao redor do furo.


                                                A caixa de madeira feita a partir de pesquisas
                                                na internet. O marceneiro alterou um pouco
                                                a medida padrão, mas, ficaram boas.