_AMOR, FLOR, VERDURA, PALAVRA, TUDO É SEMENTE!

_VIDA, HORTA, JARDINAGEM,

PROSA E POEMA:

PALAVRA ESCRITA E SEMEADA...

SEMPRE O MESMO PRINCÍPIO

GENEROSO DA SEMENTE.



Histórico e registro do projeto de criação e transformação de um quintal, hoje com horta, pomar e jardim, que já foi um grande monte de entulhos, mas que está se revelando um pedacinho do paraíso.
Verifique o "Antes e o depois" nos primeiros posts... Acredite... Aconteceu...
O possível se faz agora, o impossível demora um pouquinho mais...
De quebra vão alguns textos,receitas,meditações, artigos e poemas, semeados entre flores e verduras...
Que mistura...

Os textos e fotos são de própria autoria, aqueles que não o forem, trarão referência do autor.
Nossas imagens não deverão ser usadas para qualquer tipo de promoção de cunho comercial sob pena de responsabilização legal. Grata.


"Existe duas maneiras de ver o mundo: A primeira é que não existe milagres.
A segunda é que tudo é milagre."
Albert Einstein

Além das experiências em nosso quintalzinho, agregamos posts de quintais de amigos em: Visitando outros quintais.

Em Marcadores,
acesse
o Índice Alfabético Remissivo com todos os assuntos.

quarta-feira, 19 de setembro de 2012

Trapoeraba-roxa: um grande problema

                 Cuidado com a trapoeraba!                                                      

 Para você que gosta de compor bordaduras no jardim e gosta de misturar as cores das plantas,
 aí vai uma experiência que tivemos com a trapoeraba-roxa: Fazia tempo que achávamos
bonita a tal planta e quando a vimos, no jardim de uma empresa, próxima ao nosso dentista,
não hesitamos em bater a campainha e pedir umas mudinhas. Logo elas se desenvolveram
produzindo mais mudas que remanejamos, encantados pelo colorido das folhas. Quando
floresceu, ficou ainda mais bonita.
Como havíamos plantado lambari roxo ao redor da jabuticabeira, resolvemos compor uma 
bordadura com dois tons de roxo, assim, acrescentamos umas mudinhas da trapoeraba-roxa. 
Nesta época encontramos uma postagem na internet chamando a atenção sobre o perigo de se 
plantar esta folhagem no quintal, por ser demasiadamente invasiva e de difícil controle,
podendo tornar-se uma praga incontrolável.
Resolvemos fazer uma inspeção no vaso da jabuticabeira e levamos um belo susto. Todo
o vaso havia sido tomado por rizomas moles e profundos, que se arrebentavam ao puxar.
Desta maneira a planta se espalha e não há como erradicá-la. Tivemos que revirar toda
a terra do vaso, retirando um amontoado de rizomas, quase um quilo, sendo necessário revolver
até o fundo do vaso, inclusive entre as raízes da pequena frutífera, trocando toda a terra.
A jabuticabeira sobreviveu, plantamos de volta apenas os lambaris, que têm raízes superficiais e 
ajudam a manter a umidade.
Arrancamos todas as mudas de trapoeraba-roxa do quintal e as descartamos depois de deixar 
secar, mas não nos livramos, de vez em quando, de encontrar um rizoma brotando aqui ou ali
e se  tentamos arrancá-lo ele  utiliza a mesma técnica de arrebentar e se fazer de morto, para
brotar mais tarde em ouro canto.
Se num vaso a planta  já se espalha tanto, imagine no solo! Cuidado com a trapoeraba roxa.


A trapoeraba roxa que precisou ser eliminada do vaso e do quintal.

Um comentário:

  1. ganhei uma muda dessa planta mas nao imaginava do problema que ela pode causar. Boa dica, assim nao a colocarei perto de outras plantas

    ResponderExcluir

Por favor, registre aqui sua passagem e opinião.
Obrigada