_AMOR, FLOR, VERDURA, PALAVRA, TUDO É SEMENTE!

_VIDA, HORTA, JARDINAGEM,

PROSA E POEMA:

PALAVRA ESCRITA E SEMEADA...

SEMPRE O MESMO PRINCÍPIO

GENEROSO DA SEMENTE.



Histórico e registro do projeto de criação e transformação de um quintal, hoje com horta, pomar e jardim, que já foi um grande monte de entulhos, mas que está se revelando um pedacinho do paraíso.
Verifique o "Antes e o depois" nos primeiros posts... Acredite... Aconteceu...
O possível se faz agora, o impossível demora um pouquinho mais...
De quebra vão alguns textos,receitas,meditações, artigos e poemas, semeados entre flores e verduras...
Que mistura...

Os textos e fotos são de própria autoria, aqueles que não o forem, trarão referência do autor.
Nossas imagens não deverão ser usadas para qualquer tipo de promoção de cunho comercial sob pena de responsabilização legal. Grata.


"Existe duas maneiras de ver o mundo: A primeira é que não existe milagres.
A segunda é que tudo é milagre."
Albert Einstein

Além das experiências em nosso quintalzinho, agregamos posts de quintais de amigos em: Visitando outros quintais.

Em Marcadores,
acesse
o Índice Alfabético Remissivo com todos os assuntos.

domingo, 11 de maio de 2014

Visitante Noturno

                                  Primeiro devo um pedido de desculpas aos meus leitores e seguidores
                                 pelo prolongado período sem postagem alguma. Tempos de humildade
                                 que a saúde às vezes pede. Mas, vamos ao tema da postagem de hoje:
                                 Desde que aqui vimos morar, escutamos barulhos no forro da casa que
                                 eram uma incógnita. Colocamos ratoeiras, mas, nada! Até que uma noite
                                 arrombaram o balde gigante onde guardamos a ração dos peixes e do
                                 cachorro.
                                 Para nossa surpresa os sacos de ração haviam sido rasgados, mas não
                                 roídos. Arrumamos uma refeição de boas vindas com restos de arroz e
                                 uma banana e ficamos à espera do visitante. Onze horas em ponto ele
                                 chegou. Escondida atrás do vidro da janela, com o quarto escuro e a luz
                                 do quintal acesa, pude filmar e fotografar à vontade. O artista chegava a
                                 me fitar, não sei se chegava a ver-me pelo efeito da luz acesa, mas a luz
                                 que é usada para afastar tais visitantes, aqui não parece fazer efeito.
                                 Cheguei a fazer um vídeo de quatro minutos, incluindo a refeição, depois
                                 a higiene final, quando o bichinho  lambe as patas e "lava" a cara.
                                 Numa outra ocasião deixei um pote com água e após beber, ele literalmente
                                 lavou-se. O marsupial tem fama de fedido,mas vejam só, que higiene!
                                 Só não se pode estressar o bichinho, sob pena de ganhar um perfume
                                 inesquecível.
                                 Depois que vi a docilidade do gambazinho, tentei aproximação com a
                                 câmera, mas vi o animal disparar em fuga, então percebi umas coisinhas
                                 penduradas nas costas do bicho. Enquanto passava e repassava o
                                 vídeo pude perceber que eram filhotes. Uns quatro ou cinco. Era outro
                                 gambá, na realidade temos aqui  uma família com várias gerações.
                                 Eles devem nos visitar já há uns três anos.
                                 Em plena metrópole, com barulho de carros passando na rua, podemos
                                 perceber que nossa cidade está em harmonia com a natureza,
                                 o que nos dá o compromisso de mantê-la equilibrada. Busquei órgãos
                                 responsáveis para me informar sobre o que fazer e me disseram apenas
                                 que, se não estiver incomodando deixe o bichinho como está. Evitamos
                                 a bagunça dentro do forro com uma lampada mais forte, mas mesmo
                                 assim, na hora de sempre, percebemos o barulhinho dos visitantes.
                                 Seguem algumas fotos do macho jovem. A fêmea com filhotes não foi
                                 possível fotografar por ser mais arisca.

 


sexta-feira, 28 de fevereiro de 2014

Uvas do quintal.

                           
                              No ano passado colhemos um cachinho de uvas simbólico,
                              bem pequenino, só pra matar a vontade. Este ano a colheita
                              chegou a três cachos, doces e bem formados. Como aprendemos,
                              quando da colheita dos pêssegos maduros, na qual tivemos perdas,
                              literalmente plastificamos os cachos de uvas, para evitar danos,
                              tanto pela intervenção das aves, como dos insetos.
                                                                       


Aproveitamos alguns ramos de trigo que colhemos aqui no quintal
no ano passado e improvisamos um ensaio fotográfico cheio de significado.
Na verdade plantávamos grama de trigo para fazer suco de clorofila,
mas deixamos crescer e maturar uns ramos de trigo só para
admirarmos sua beleza.

Um pãozinho e um cálice de vinho para evocar o belo e
todas as bênçãos que  Deus derrama sobre o trabalho humano.

Acidentalmente, no fim do ensaio fotográfico, uma cotovelada
entornou nosso vinho sobre a mesa. Aproveitamos a foto. Por sorte,
a toalha branca estava protegida por um plástico transparente,
artimanha usada para poupar a toalha em refeições com crianças
 e adolescentes.

quinta-feira, 27 de fevereiro de 2014

Figos doces e maduros.

Com os figos novos deste verão, já provamos nossa compota
   de  frutos verdes e agora estamos provando seu sabor maduro, 
doce e avermelhado.

A compota que fotografamos, mas, que já foi devorada.
                                                                           

A questão é sermos mais rápidos que os sabiás,
que comem os figos mesmo que não estejam bem maduros.

O ideal seria deixar o fruto inchar e avermelhar no pé, mas, ou colocamos
uma tela que proteja os frutos, ou os colhemos antes de completar
 a maturação... Mesmo assim são muito doces...


                                                   

sábado, 15 de fevereiro de 2014

Nossos peixes.

                                        Cresceram admiravelmente, tendo se adaptado ao
                                        nosso sistema de aquaponia caseiro que nos fornece
                                        agrião, água com resíduos nitrogenados que utilizamos
                                        como fertilizante da horta, e é claro, carne de peixe,
                                        sendo tilápias, jundiás e lambaris. Alguns amigos já
                                       provaram da carne dos peixes, que consideraram os
                                       melhores e mais saborosos que já comeram. Mas,
                                       pergunte-me se tenho coragem de comer estes peixes,
                                       depois que eles se acostumaram a subir para pedir ração,
                                      comendo na minha presença, sem medo.
                                      Sem falar que muitos deles sobem enquanto passo
                                      ao lado do tanque e fitam-me nos olhos.Você comeria?
                                     E se comerem, que seja bem longe  de mim... Sempre
                                     amei carne de tilápia, mas, ando bem mais vegetariana
                                     depois que me dispus a monitorá-las.
                                                                           
As tilápias criadas no tanque feito de  velha caixa d"água reciclada.

                                        

Os pêssegos que deixaram saudades.

                                               O pequeno pessegueiro enfeitou nosso quintalzinho
                                               com suas maravilhosas flores cor-de-rosa. Depois
                                               vieram os frutos generosos. Deixaram apenas a
                                               saudade de sua doçura. E um aprendizado: No ano
                                               que vem, devemos proteger os frutos mais cedo,
                                               envolvendo-os em saquinhos. Assim evitaremos
                                               a invasão da mosca-da-fruta que sempre deixa
                                               larvas de lembrança, para devorar nossos frutos
                                               e frustar nossa alegria de poder aproveitar todos
                                               os frutos. Mas, mesmo assim, valeu... Nossos
                                               pêssegos estavam simplesmente deliciosos,
                                               brancos, doces e grandes.



quinta-feira, 16 de janeiro de 2014

Flor de fava...

                                                     Muito fashion!

                                  Partilho com vocês a beleza das flores das favas portuguesas
                                  plantadas  por pura curiosidade neste verão.
                                  São lindas, muito fashion!
                                 Afinal, preto e branco, nunca saem de moda!

     




Tilápias

Nossas belas tilápias, protagonistas do nosso sistema de aquaponia
Isto é, produção de verduras só com os nutrientes contidos na
água dos peixes, conforme projeto desenvolvido
neste quintalzinho metido a ser autossustentável.

Para quem já pescou aqui, achou  ótimo e sabor dos peixes, mas, para quem os alimenta,
para quem os vê comer na própria mão e os fita nos olhos, deixaram de ser alimento.
Vai mesmo uma verdurinha, sem culpas...